Pesquisar este blog

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

A Menina que odiava Livros

Esta é a história de Meena, uma garota que simplesmente odiava livros. Mas ela não conseguia ficar longe deles, porque em sua casa eles estavam por toda parte: nos armários da cozinha, nas gavetas, nas mesas, nos guarda-roupas e nas cômodas. Estavam também sobre o sofá, alguns entulhados na banheira e outros empilhados nas cadeiras. Mas um dia o gatinho de Meena derrubou uma pilha enorme de livros infantis. Abertas pela primeira vez, as páginas dos livros libertaram os personagens e animais das histórias, que invadiram a sala, fazendo uma grande bagunça. Esse acontecimento mágico fez Meena viajar pelo fantástico mundo da literatura.

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

A falta do hábito de leitura nos jovens


É bastante visível que vivemos numa sociedade em que a prática da leitura não é valorizada como instrumento de crescimento pessoal e/ou profissional. Embora a tecnologia venha avançando e fazendo com que cresça meios de comunicação de fácil acesso e a todo tipo de conhecimento, a maioria dos jovens não sabem usufruir bem desse meio para chegar a informações que lhe são úteis.

A escola tem um papel imprescindível na formação de leitores competentes, reservando na elaboração de projetos, organização curricular um espaço especialmente para a leitura, promovendo atividades focando nessa prática. Os jovens não leem porque não são estimulados. Esse hábito deve vir, em primeiro lugar, de casa. Pais que tem o hábito de ler estimulam seus filhos, e isso passa de geração pra geração. O avanço da tecnologia contribui para que o número de leitores caia cada vez mais.

Os jovens andam muito ocupados nas redes sociais, o que os levam a interessar mais pelos bate-papos, pela internet, pelos games e vídeos disponíveis, do que pelos inúmeros materiais úteis e de grande valor que a internet possibilita. Precisamos reverter esse quadro. A prática da leitura diária em sala de aula é bom começo, porém, ela só seria de grande valia se os alunos não veem a leitura como obrigação, pois, essa palavra os traz medo e os afastam mais ainda dos livros. 
                                                                           Mariana Costa Cerqueira


sábado, 20 de janeiro de 2018

São Sebastião: o soldado da fé



Celebrado no dia 20 de janeiro, São Sebastião era um soldado do Imperador Romano, Maximiano no Ocidente e Diocleciano no Oriente. Nasceu em Narbona, na atual França, em 256 d.C., mais tarde mudou-se para Milão, na Itália. Estudou e acabou seguindo a mesma carreira militar do pai. Ali, destacou-se como um soldado fiel e assim foi subindo na hierarquia militar. Foi então transferido para Roma onde comandou a tropa de segurança do imperador. O período, é bom lembrar, foi um dos mais difíceis para os cristãos. Muitos foram mortos, outros presos, e outros tantos vieram a fugir. A perseguição foi intensa.
          Sebastião, em torno de 280 d.C., protegia os presos por serem cristãos. Sentia neles uma grande simpatia e não via crime em seu modo de viver a fé. Assim, levou muitos castigos, da morte, da prisão. Não demorou muito, foi traído por alguém. Para mudar sua postura, sua fé recebeu a promessa de promoção. Porém, não aceitou. Acreditava em Jesus e este era Deus. Já o imperador era um assassino, perseguidor, não era deus na sua convicção. Foi então condenado à morte. Foi amarrado ao tronco no estádio Palatino e flechado.
          Deixado quase morto foi resgatado por Irene, uma mulher cristã, que cuidou de suas feridas e o recuperou. Mais tarde, reiniciou sua defesa aos cristãos e foi preso novamente. Recebeu uma segunda condenação. Há quem diga que quebraram a cabeça com bolas de chumbo, outros afirmam que foi morto por açoite e jogado numa fossa para que nenhum cristão o encontrasse. Outra possibilidade é que ele teria aparecido à jovem Luciana indicando que seu corpo se encontrava num poço, enforcado. Sua sepultura está na Basílica de São Sebastião, em Roma.
          Que São Sebastião nos ajude a permanecermos na fé e defendendo a vida!

Pe. Cleber Pagliochi
Paróquia São Sebastião
Abelardo Luz, SC


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Setembro Amarelo


Setembro amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, com o objetivo direto de alertar a população a respeito da realidade do suicídio no Brasil e no mundo e suas formas de prevenção. Ocorre no mês de setembro, desde 2015, por meio de identificação de locais públicos e particulares com a cor amarela e ampla divulgação de informações.

No  link abaixo vai encontrar vários materiais bem produzidos pela Sociedade brasileira de psiquiatria.